Clube-empresa: Flamengo rechaça adesão, faz ressalvas e aguarda explicações para apoiar projeto

Clube-empresa: Flamengo rechaça adesão, faz ressalvas e aguarda explicações para apoiar projeto

Atenção aos detalhes e precaução antes de um posicionamento oficial. O Flamengo observa com cuidado o desenrolar do projeto para transformação de clubes de futebol do Brasil em empresa, que está em processo de formulação para ir ao plenário da Câmara dos Deputados. Sem intenção de aderir à medida, o Rubro-Negro faz ressalvas e busca esclarecimentos antes de declarar ou não apoio.

Reinaldo Belotti é o CEO do Flamengo na gestão Rodolfo Landim — Foto: André Durão / GloboEsporte.com

CEO do clube, Reinaldo Belotti atendeu o GloboEsporte.com para tratar do tema e deixou claro que a proposta de "isenção fiscal condicionada" para quem decidir não se tornar empresa não é suficiente para convencer o Flamengo. Com as contas em dia e aumento gradativo de receita, os cariocas se colocam na condição de questionadores:

- Se estamos falando de uma mudança que vá resolver problemas, mesmo que não entremos, não somos nós que colocaremos empecilhos. Mas tudo tem que estar bem claro. Não podemos ser prejudicados.

+ Após mudança no texto, Flamengo se torna favorável ao projeto de clube-empresa
+ Dirigentes se reúnem com presidente da Câmara para debater projeto de clube-empresa

Belotti acredita que o projeto por si só não será suficiente para transformar radicalmente a realidade dos clubes brasileiros. Para o dirigente, mais do que a mudança para empresa ou não, o problema está na forma como as organizações são geridas:

- Tem uma série de princípios que precisam ser melhor discutidos. Grande parte do problema é de gestão e não de organização. Quando falamos na mudança, falamos em mudar a organização, mas isso não resolve o problema, que é de gestão. Temos exemplos públicos disso, e um deles é o Flamengo.

Dirigentes têm se reunido com deputados em Brasília para discutir o tema — Foto: Reprodução/TV Globo

Para acelerar o projeto, a CBF criou um grupo de trabalho dedicado exclusivamente a auxiliar o relator na negociação com clubes e federações. A previsão é que a proposta vá à votação no plenário da Câmara até a primeira quinzena de outubro, sem necessidade de passar por comissões.

Confira abaixo o posicionamento do Flamengo sobre os seguintes pontos:

Adesão ao clube-empresa

Não temos interesse no momento. Até porque, são questões muito complexas. Quando se coloca clube-empresa, basicamente é para conseguir investimento. Investidor não é torcedor, não tem coração. Vai investir onde tiver mais retorno e segurança. Não vimos ainda premissas básicas do investidor. Temos nossas principais fontes de receita: patrocínio, direito de transmissão, sócio-torcedor, bilheteria e licenciamento. E ainda podemos explorá-las com muito mais eficiência. Queremos trabalhar forte em gestão e explorar onde podemos ter melhorias.

Profut

Fizemos um esforço muito grande para seguir dentro do Profut. Pagamos nossas dívidas, não criamos novas dívidas.... Acho que isso deve ser reconhecido também. Entendemos o esforço do deputado Pedro Paulo (DEM-RJ) com os clubes, mas temos ressalvas. Não queremos atrapalhar ninguém, mas não pode existir um benefício para quem for por um caminho e não outro. Até porque, quando se fala em competição, qualquer benefício gera desequilíbrio.

Apoio ao projeto

De maneira geral, o Flamengo não pode nem apoiar, nem não apoiar. O projeto não está pronto. A última versão é mais razoável do que a penúltima e há um esforço para melhorá-la. Ainda não está pronto para falarmos se concordamos ou não.

Migração

Essa migração de entidade esportiva para clube empresa seria opcional. Para os que não migrassem, criariam a figura de isenção condicionada. Aí está o ponto de atenção. É necessário entender bem o que estamos falando. Quais indicadores vão analisar? Entendemos que o mercado é quem faz isso melhor do que ninguém, premiando quem tem bom desempenho e punindo os que têm desempenho ruim.

Ressalvas

Precisamos analisar com detalhes. Estamos preocupados com a velocidade por trás disso. Temos uma série de pontos a serem detalhados antes de apoiarmos. Um deles é a recuperação judicial.

Um dos pontos balizadores do projeto é você ter uma empresa isenta de dívidas passadas. Para isso, é preciso recuperação judicial, mas existe uma legislação específica que precisa ser obedecida. Não estou dizendo que é impossível, mas é preciso ter atenção.

Outro ponto está nos direitos trabalhistas. Existe uma nova figura: a hipersuficiência. É algo que precisa ser detalhado para que os clubes não entrem e depois tenham problemas com a legislação trabalhista.

Novo banner flamengo — Foto: Divulgação

Sinta a emoção de ser sócio-torcedor do Mengão e tenha muitas vantagens - clique aqui!

Clique aqui e faça parte do nosso canal do Telegram e receba todas as notícias em tempo real.