O Flamengo confirmou de forma oficial, nesta quinta-feira, que promoveu o retorno do futebol profissional aos treinamentos no CT Ninho do Urubu. As atividades de campo foram iniciadas, segundo o clube, nesta quarta-feira, mas desde o início da semana o elenco voltou ao local para avaliações físicas e testes médicos. Mesmo com a recomendação das autoridades de saúde do município para não ir além disso.

Então, quais são os argumentos do Flamengo para voltar a treinar sem perspectiva de retorno das partidas, em meio a uma pandemia e ao crescimento de casos de Covid-19 no Brasil e no Rio?

Confira:

Qual o entendimento jurídico que leva o Flamengo a seguir treinando no Ninho do Urubu?

A diretoria deu respaldo para o futebol voltar pois entende que os decretos da prefeitura do Rio e do governo do estado não falam claramente em veto aos treinos de futebol.  

O decreto da prefeitura proíbe especificamente treinos e atividades no CT?

Segundo a prefeitura, o Flamengo foi informado que, por força do Decreto Nº 47431, de 19 de maio, as atividades não essenciais permanecem suspensas até o dia 25 de maio, o que inclui o treinamento de atletas, sendo permitidas atividades relacionadas à fisioterapia e reabilitação dos jogadores.

No entanto, no citado decreto, não existe menção ou veto ao futebol. Em outro decreto anterior, de 21 de março, a prefeitura determiina o fechamento de academias de ginástica apenas.

Mesmo assim, depois disso, o prefeito Marcelo Crivella e a Secretaria de Saúde já informaram que a recomendação é para que não haja treinos. Inclusive, disseram que o clube está sujeito a sanção, mas até agora não fizeram nada nesse sentido.

E o decreto do estado?

O decreto do estado em vigor pede o fechamento dos centros esportivos. No entanto, também não é claro sobre treinos de futebol. De todo modo, o governador Wilson Witzel já se pronunciou contra as atividades. Mas recentemente abriu a guarda em nome da boa relação com os clubes. Nesse momento, a briga do Flamengo é com a prefeitura, não apenas pela melhor relação com o estado. Mas também porque o Superior Tribunal Federal entendeu que é cada município quem tem poder para determinar a interrupção de atividades.

Por que o Flamengo quer treinar se não tem previsão para os jogos voltarem?

A ideia do clube é ser pioneiro no processo de retorno do futebol brasileiro, mesmo sem calendário definido. Em outras frentes, a diretoria dialoga com o governo federal, e diretamente com o presidente Jair Bolsonaro, para que o Miniistério da Saúde e a Anvisa deem aval para a retomada das partidas com portões fechados. Como a ideia é que isso aconteça em junho, o clube entende que o fim de maio é o prazo ideal para que os atletas façam uma nova pré-temporada de 15 a 30 dias.

Quais são as medidas sanitárias que levam o Flamengo a achar que é seguro voltar a treinar?

O Flamengo voltou na segunda-feira aos treinos, mas tem se preparado para isso há dois meses. O clube investiu em centenas de testes de coronavírus, e tem submetido atletas, comissão, funcionários e familiares a avaliações constantes.

O próprio Centro de Treinamento também tem cuidados básicos de desinfecção. O clube comprou uma máquina na Europa para detectar se quem entra e sai do CT tem sintomas da Covid-19, e ela também promove uma desinfecção.

Todos os protocolos médicos são capitaneados pelo chefe do setor, doutor Márcio Tannure, que mantém diálogo com autoridades de saúde do município, do estado e do governo federal. Ele esteve, inclusive, no almoço com o presidente Jair Bolsonaro.

São 13 medidas anunciadas pelo Flamengo para evitar a contaminação:

1. Desinfecção das instalações do Centro de Treinamento

- Desinfecção realizada por empresa especializada em 22/04, nos três prédios do CT, e emitido certificado de garantia e utilizando produtos que comprovadamente matam o vírus causador da COVID-19 (cloro e álcool 70%).

2. Limpeza do CT

- Equipe de limpeza do CT devidamente equipada com EPIs (Equipamento de Proteção Individual), utilizando produtos que efetivamente matam o vírus (cloro e álcool 70%), limpando todas as áreas antes e após a utilização;

- O CT já tem grande quantidade de álcool, cloro, máscaras e luvas para uso imediato e equipe alocada e treinada para a tarefa.

3. DDS (Diálogo Diário de Segurança)

- Treinamento dos funcionários quanto à utilização de EPIs e modo de trabalho seguro e comportamento preventivo, seguindo recomendações das autoridades sanitárias;

- Elaborada a cartilha de orientações de comportamento contra a COVID-19 e efetuado o treinamento com as equipes que estão no CT.

4. Disponibilização de material de higiene

- Distribuição de dispensers com álcool em gel por todas as áreas do CT, além de embalagens para uso individual;

- Foram instalados diversos dispensers com álcool em gel no CT.

5. Prevenção de contaminação por ar condicionado

- Não será utilizado o sistema de ar condicionado central, deixando as portas e janelas abertas para que haja circulação de ar externo;

- O ar condicionado não será ligado e os controles serão recolhidos dos quartos e de outros locais.

6. Impedimento da utilização dos vestiários

- Não haverá utilização dos vestiários para troca de roupa e banho. Cada atleta e membro da comissão terá uma habitação individual à sua disposição;

- A porta de acesso ao corredor dos quartos será a da lateral do muro. Cada atleta usará o seu quarto para mudar de uniforme e higiene pessoal.

7. Arrumação dos quartos

- Troca diária de roupa de banho, sendo imediatamente lavadas e secadas em altas temperaturas e a realização de desinfecção dos quartos após o uso;

- As camareiras já estão orientadas a proceder desta maneira.

8. Alimentação

- Manter cozinha e refeitório fechados (áreas confinadas). A alimentação será fornecida em kits individuais;

- Os kits individuais serão colocados nos quartos dos atletas e em locais próximos à área de trabalho para a equipe técnica.

9. Prevenção de contaminação

- Planejar a entrega de mercadorias durante esse período e não permitir a entrada de pessoas que não sejam essenciais para a atividade de treinamento do futebol profissional.

10. Orientações gerais de prevenção

- Os atletas, comissão técnica e funcionários serão orientados em como proceder e se movimentar internamente no CT;

- Controle de acesso por portas determinadas, informações de prevenção, locais para colocação de chuteiras, desinfecção dos equipamentos utilizados (bolas, chuteiras, cones, caneleiras, GPS, balizas e etc.) logo após o uso.

11. Manutenção do Centro de Treinamento

- Utilização de mão de obra fornecida por empresa que já presta esse serviço ao CT para que durante as madrugadas seja feita limpeza e desinfecção mais profunda, de modo que no dia seguinte as áreas já estejam aptas para utilização sem risco;

- Plano em elaboração junto com as empresas de limpeza, conservação e manutenção predial.

12. Impedimento de uso da academia e piscinas

- Neste primeiro momento, como previsto no protocolo da FERJ, a academia e a piscina estarão interditadas para uso, com controle de acesso na área.

13. Utilização de equipamentos de proteção

- Todos os funcionários presentes ao CT e integrantes da comissão técnica utilizarão os EPIs necessários conforme orientação dos órgãos de saúde.

O que a visita a Jair Bolsonaro tem a ver com a tentativa de voltar a treinar? No que o presidente pode interferir?

O presidente Bolsonaro já emitiu decretos alterando as atividades essenciais, mas como informado, o STF determinou que os municípios decidam sobre isso. Mas o mandatario pode indicar ao Ministerio da Saúde que emita parecer favorável ao retorno do futebol, como já foi feito uma vez. Em outra frente, o órgão aguarda o protocolo da CBF, para que a Anvisa produza um relatório para embasar uma portaria destinada às autoridades de saúde locais. Desta forma, haveria argumento técnico para o retorno, para que as prefeituras autorizassem.

Como é o protocolo com os funcionários e jogadores? Eles vão e voltam do CT como? Fazem testes diários?

 

Veja a nota divulgada pelo Flamengo sobre apoio dos jogadores:

Diretoria, comissão técnica e atletas profissionais do Clube de Regatas do Flamengo vêm a público se manifestar a respeito do retorno das atividades do futebol profissional no Centro de Treinamento George Helal.

Os atletas e os integrantes envolvidos no dia a dia do Ninho do Urubu informam que se sentem seguros e aptos a retomar os treinamentos em razão do protocolo de segurança e prevenção adotado pelo Departamento Médico do Flamengo.

O protocolo foi colocado em prática seguindo as mais rigorosas determinações de segurança internacional. Colaboradores, atletas e integrantes da comissão técnica realizaram testes com resultado negativo para a Covid-19, além de serem examinados diariamente pelo Departamento Médico.

O Centro de Treinamento do Flamengo dispõe dos equipamentos necessários e também conta com diária higienização rigorosa. Não à toa, o clube adotou 13 medidas para retomar as atividades e que foram divulgadas na última segunda-feira (18).

Depois de exames na reapresentação e de testes físicos no dia seguinte, os treinos foram retomados na quarta-feira (20) em acordo com o protocolo da FERJ (Federação de Futebol do Estado do Rio de Janeiro). Vale ressaltar que o documento contempla atividades ao ar livre. Sendo assim, os grupos de trabalho são espalhados pelos campos do Ninho do Urubu.

Por fim, atletas e integrantes do futebol profissional do Flamengo reforçam o entendimento sobre o momento delicado e estão dispostos a colaborar com ações que favoreçam o combate ao novo coronavírus e o retorno aos treinamentos.

Atenciosamente,

Marcos Braz

Vice-presidente de Futebol

Bruno Spindel

Diretor Executivo de Futebol

Jorge Jesus

Técnico do time profissional

Márcio Tannure

Chefe do Departamento Médico

Atletas profissionais do Clube de Regatas do Flamengo