Futebol, estudos e religião: Irmão de Imperador rechaça 'vida boleira' nos EUA

Futebol, estudos e religião: Irmão de Imperador rechaça 'vida boleira' nos EUA

Após dar os seus primeiros passos no futebol de base vestindo a camisa do ​Flamengo, clube pelo qual seu irmão é ídolo, Thiago Ribeiro tomou rumos bem distintos da grande maioria dos jovens brasileiros que sonham em jogar futebol: se mudou para os Estados Unidos, onde divide sua rotina entre religião, estudos e esporte. 

Já segue a gente no Instagram? Clique aqui e venha para a Casa dos Torcedores!

Thiago tem talento, mas foca em estudar

O ​UOL Esportes contou um pouco da história do caçula de Adriano Imperador. Aos 19 anos, Thiago já conquistou alguns títulos colegiais pelo Saint Benedict's Preparatory School, colégio referência nos Estados Unidos, mas confessou que o foco em sua trajetória na América do Norte é estudar. Questionado se deixaria o país para jogar por algum clube brasileiro, o jovem confessou que teme a instabilidade que é a carreira boleira: "O futebol é muito incerto. Eu não vou largar agora que estou aqui há dois anos. Minha mãe fez vários sacrifícios para eu vir pra cá. Não vou ficar dois anos e ter dinheiro jogado fora. E se eu voltar, for jogar futebol e não conseguir?", afirmou. 

Regras e disciplina são algumas das grandezas assimiladas por Thiago no Saint Benedict's, escola católica só para meninos. A rotina do jovem inclui missas diárias, logo nas primeiras horas do dia, seguidas por aulas e treinos no fim do dia. O tempo livre durante a semana é curto, e as saídas nas horas vagas, controladas.

Thiago pretende seguir carreira acadêmica

Perguntado sobre sua relação com seu irmão e os conselhos que recebe, o jovem revelou ser bastante próximo de Adriano: "Ele dá uns conselhos. Por ele eu não seguiria no futebol, porque ele fala que não quer que aconteça o mesmo que aconteceu com ele de falarem besteiras e inventarem mentiras. Fala que o futebol é meio muito sujo. Ele fala: 'nos Estados Unidos estuda e se não consegui jogar, vai se formar e ter estudos", contou.

Mesclando o sonho de jogar bola com um futuro acadêmico - Administração é a faculdade pretendida -, Thiago não gosta de ser comparado ao irmão no quesito talento, apesar dos troféus e artilharias acumuladas nos campeonatos colegiais: "Jogar igual a ele é impossível. Mas espero que um dia eu jogue pelo menos 1% do que ele jogou", concluiu.