• BICAMPEÃO DA LIBERTADORES
  • HEPTACAMPEÃO BRASILEIRO

Jornalista recusa falar em desprezo de Klopp e diz que treinador tem ‘preocupações maiores’ antes do Flamengo

Após reconquistar o Brasil pela sétima vez e, pela segunda, a América, o Flamengo de Jorge Jesus se prepara para tentar se tornar dono do Mundo novamente. O adversário é um velho conhecido: o Liverpool – aquele 3 a 0 ficou marcado na história. Se a expectativa é alta entre os flamenguistas, não podemos dizer o mesmo sobre os ingleses. Em entrevista, o técnico Jürgen Klopp admitiu conhecer muito pouco sobre o Rubro-Negro carioca. Declaração vista com normalidade por André Rocha, do portal UOL.

Jürgen Klopp admitiu à ‘ESPN Brasil’ não conhecer muito nem sobre o Flamengo e nem sobre o regulamento do Mundial de Clubes. Para o técnico, aliás, seria vergonhoso saber mais sobre o futebol sul-americano do que de seus próximos adversários ingleses. Relembre:

Eu sei que eles ganharam a Copa Libertadores, conheço alguns jogadores, mas é o mesmo conhecimento que tenho de um time que jogamos na Champions League pela primeira vez, uns 3, 4 dias antes. Se formos jogar contra eles, temos que ganhar as semis, certo? Neste momento seria uma vergonha saber mais de qualquer time brasileiro do que do Bournemouth. Nós vamos preparados, mas não tenho certeza se vamos jogar contra eles”.

De acordo com o jornalista André Rocha, em seu blog, a resposta de Klopp foi óbvia e natural. A declaração do treinador inglês gerou uma revolta ”desnecessária” para os flamenguistas, ainda segundo a análise.

Não há razão para criticar Klopp. Primeiro porque o intenso treinador pode ser tudo, menos blasé. Segundo, e principalmente, porque ele tem preocupações maiores no momento. A começar pelo risco real do atual campeão europeu ser eliminado na fase de grupo da Champions e parar na Liga Europa -, apontou.

Caso o Liverpool seja derrotado por dois ou mais gols para o RB Salzburg e o Napoli vença o Genk, o que é provável, o resultado seria uma ‘catastrofe’ para os Reds.

O jornalista aponta, ainda, a cultura de cada local e a seriedade com que o Mundial é encarada na América e na Europa.

É preciso entender, de uma vez por todas, que o contexto da disputa deste torneio é muito diferente para o europeu. Enquanto o time sul-americano quase encara o Mundial como a cereja do bolo no ano que está se encerrando, para o campeão do Velho Continente é mais uma competição enfiada no meio da temporada. Ainda há uma semifinal para cada lado, para que se precipitar? – questionou.

Leia na íntegra

Publicado em colunadofla.com.