Ministério Público denuncia uruguaios envolvidos em briga de torcida no Flamengo x Peñarol

Ministério Público denuncia uruguaios envolvidos em briga de torcida no Flamengo x Peñarol

Torcedores de Peñarol e Flamengo brigam no Rio

O Ministério Público do Rio de Janeiro divulgou na manhã desta segunda-feira que denunciou, através do Gaedest (Grupo de Atuação Especializada do Desporto e Defesa do Torcedor), os três uruguaios que estão detidos na penitenciária de Benfica, na Zona Norte do Rio de Janeiro, desde a briga de torcida antes do jogo Flamengo x Peñarol, no dia 3 de abril, pela Libertadores.

Dennis Oscar Viega Gonzalez, Fernando Segundo Carreno Tucce e Gianfranco Steffano Cattapan Flores, foram enquadrados nos artigos 41-B do Estatuto do Torcedor (praticar violência), além dos 129 (lesão corporal grave) e 329 (apresentar resistência) do Código Penal. As penas acumuladas podem chegar a sete anos de reclusão e dois de detenção (sem ser em regime fechado).

+ Torcida do Peñarol faz vaquinha para ajudar famílias e pede justiça

A confusão começou quando um ônibus de excursão vindo do Espírito Santo, antes do jogo, parou na praia do Leme, na Zona Sul do Rio. O local, porém, foi o ponto de encontro determinado pela polícia para escoltar os uruguaios até o estádio. Torcedores dos dois clubes se envolveram em uma briga generalizada, e vídeos da pancadaria circularam pelas redes sociais - em um deles, um rubro-negro é agredido por vários torcedores do Peñarol (veja acima).

Torcedores do Peñarol detidos após confusão no Rio de Janeiro — Foto: Marcelo Baltar/GloboEsporte.com

Torcedores do Peñarol levados ao Jecrim após briga com torcedores do Flamengo — Foto: Marcelo Baltar

A Polícia Militar levou cerca de 40 torcedores do Peñarol para o Jecrim (Juizado Especial Criminal), que fica localizado dentro do Maracanã. No confronto, um torcedor do Flamengo, Roberto Almeida, ficou gravemente ferido. Ele tem 60 anos e foi agredido com uma garrafada na cabeça. O rubro-negro passou por tomografia e está internado no hospital Miguel Couto, na Zona Sul do Rio. Segundo uma testemunha, Gianfranco Flores foi o autor das garrafadas e chutes no brasileiro.

Veja a íntegra do MP-RJ:

O Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro (MPRJ), por meio do Grupo de Atuação Especializada do Desporto e Defesa do Torcedor (GAEDEST/MPRJ), apresentou, na sexta-feira (12/04), denúncia contra três torcedores uruguaios acusados de terem agredido Roberto Vieira de Almeida, torcedor rubro-negro, em 3 de abril último. A agressão, amplamente noticiada pela imprensa, ocorreu por volta de 17 horas, na Avenida Atlântica, em frente ao restaurante La Fiorentina, no Leme, antes do jogo entre Flamengo e Peñarol válido pela Taça Libertadores da América de 2019. Na ocasião, inúmeros torcedores do Peñarol entraram em confronto com um reduzido número de rubro-negros vindos do estado do Espírito Santo, que pararam para visitar a praia. Foram denunciados Dennis Oscar Viega Gonzalez, Fernando Segundo Carreno Tucce e Gianfranco Steffano Cattapan Flores, que se encontram todos presos preventivamente, à disposição do Juizado Adjunto do Torcedor e dos Grandes Eventos.

Na denúncia, assinada pelo promotor Celso de Andrade Loureiro, o GAEDEST/MPRJ aponta que os três denunciados, de forma livre e consciente, promoveram tumulto, praticaram e incitaram a violência durante o trajeto de ida ao local de realização do citado evento esportivo (Estádio do Maracanã), tendo desferido golpes com garrafa e cadeiras, chutes e socos contra o torcedor adversário, causando-lhe lesões corporais ao menos de natureza grave. Tanto que Roberto ainda segue internado no Hospital Miguel Couto, em coma induzido e tendo já sido submetido a procedimento cirúrgico, em função de traumatismo craniano.

Pelos atos descritos, estão os denunciados incursos nas sanções dos artigos 41-B, §1º, inciso I, da Lei nº 10.671/03 (Estatuto do Torcedor, com reclusão de um a dois anos e multa), 129, §1º, inciso II, e 329, ambos do Código Penal, todos na forma do artigo 69 do mesmo diploma.