Sobre dores e rivalidades: solidariedade de cariocas mostra que não é (nem nunca foi) só futebol

Sobre dores e rivalidades: solidariedade de cariocas mostra que não é (nem nunca foi) só futebol

Por: Carla Araújo

A felicidade, quando compartilhada, multiplica-se. A dor, quando compartilhada, divide-se. Isso nunca foi tão real quanto nesse momento. O incêndio que vitimou dez jovens no Ninho do Urubu, na última sexta-feira, mostrou ao mundo como os clubes brasileiros se uniram para amenizar a tristeza de um: o Flamengo. O que mais chamou atenção desde a tragédia foi a força tarefa dos times cariocas, os famosos rivais. Botafogo, Fluminense e Vasco, além de seus torcedores, estão mostrando, a cada dia, que clubismo não existe quando se trata de solidariedade.

Dizem que proximidade faz com que sintamos a dor em maior intensidade. Talvez por isso os clubes cariocas e suas torcidas têm feito tanto para apoiar o Rubro-Negro. As ações são muitas. Logo após o incêndio, as três diretorias optaram pela suspensão dos treinos dos profissionais, assim como o próprio Flamengo havia feito. Torcedores rivais foram até o Ninho prestar homenagens. As partidas semifinais da Taça Guanabara foram adiadas. Estas foram mostras de como ficou o Rio de Janeiro nos últimos dias. Veja abaixo outras atitudes:

Vasco da Gama:

Talvez o maior rival do Fla na atualidade foi também o que mais surpreendeu os rubro-negros pelas inúmeras ações. A Diretoria Administrativa do Vasco se colocou à disposição para auxiliar em qualquer necessidade, além de cancelar um evento social que aconteceria na sede no dia da tragédia. O clube decretou luto de três dias e cancelou todas as atividades de sexta-feira. No retorno aos treinos, sábado, todos os jogadores usaram o uniforme preto, em sinal de luto. Fora de campo, os vascaínos também demonstraram muita solidariedade.

Um taxista disponibilizou corridas gratuitas para familiares das vítimas do incêndio. Ele conversou com a coorporativa em que trabalha e decidiu abrir mão das corridas para transportar parentes para o Ninho do Urubu, hospitais e IML. Em frente ao CT, além de rubro-negros, o que mais se viu foram pessoas com a camisa do Vasco. Um senhor se emocionou na porta do Ninho ao falar do neto que quer ser jogador de futebol. Um torcedor mirim disse: “Mesmo eu não torcendo pelo Flamengo, é triste”.

Fluminense:

O Fluminense é o grande rival histórico do Rubro-Negro, com o clássico Fla-Flu presente até no hino do Flamengo. O maior interessado no jogo da semifinal da Taça Guanabara foi justamente quem sugeriu o adiamento da partida. O presidente Pedro Abad foi à FERJ, e, em reunião, foi decidido que não haveria futebol no Rio de Janeiro no fim de semana. Assim como no Vasco, o clube também decretou luto de três dias e cancelou suas atividades de sexta-feira. O abraço de um tricolor e um flamenguista, os dois aos prantos, na homenagem feita na Gávea, no sábado, mexeu com todos.

Botafogo:

Logo após a tragédia, o Botafogo publicou, em suas redes sociais, uma foto de um duelo do Sub-15 entre as duas equipes. A categoria foi a mais afetada pelo incêndio no Ninho do Urubu, tendo nove dos dez mortos, além dos três feridos. Na sede do clube, a bandeira do Alvinegro foi colocada a meio mastro, em sinal de luto. Muitos botafoguenses também foram vistos nas homenagens às vítimas, tanto na Gávea, quanto no Maracanã.