Flamengo  RJ
menu
search
GOTA D'ÁGUA
01 de junho de 2022 às 12:01h
Por Ricardo Perez
GOTA D'ÁGUA

Ao fim do ano mágico de 2019, naquele momento de tantas alegrias, muitos de nós (como eu) imaginaram um 2020 do mesmo nível, ou até melhor.
- Quem sabe não ganhamos a Copa do Brasil também?
E havia motivo para todo esse otimismo. Ao contrário de anos anteriores, quando nos desfazíamos dos nossos principais jogadores a cada final de ano, pela incapacidade de mantê-los no nosso elenco, mantivemos todos e ainda nos reforçamos mais, nas posições carentes.

E não foi bem assim, não é?
Veio a Pandemia, o treinador saiu pelos fundos e os que o sucederam não chegaram nem perto de conseguir algo parecido. Ganhamos mais um Brasileiro, é verdade, mas só Deus sabe como. Depois de derrotados, diante de um rival muito mais fraco, precisamos ficar torcendo para o jogo de um adversário acabar, sem que ele fizesse mais um gol.

Veio 2021 e, o que já não estava bom, piorou muito. Passamos em branco e ainda fomos derrotados em uma Final de Libertadores por um adversário de dentro do nosso país. Como consequência natural, mais uma troca de treinador e, dessa vez, outro português.

Pouquíssimos de nós tinham alguma informação sobre seu trabalho. Mas alguém que dirige uma Seleção com aspiração a disputar uma Copa do Mundo, se dispõe a sair, e ainda pagar por isso, só para vir nos treinar, merece TODO nosso respeito, admiração e paciência com seu trabalho.
E EU TIVE !!!

Me incomodei com suas primeiras coletivas, onde criticava diretamente alguns de nossos jogadores. Estranhei chegar aqui com ideias pré-concebidas e modificar tão radicalmente um modelo vencedor. Torci o nariz para algumas escalações suas, quando inventava novos posicionamentos e funções, para jogadores consagrados em suas posições originais.
Mas, mesmo assim, me obriguei a continuar acreditando que ainda poderia acertar.

E aí veio o Fla-Flu !!!  
Na ingenuidade inerente a qualquer torcedor cego pela paixão, imaginei:
- Hoje vai ser diferente!
Mas bastaram poucos minutos para que essa certeza fosse apagada e um filme antigo começasse a ser anunciado na programação.

Mas um cruzamento, desviado do seu destino original, encontrou alguém que pretende se redimir em sua despedida e empatamos o jogo, ainda no primeiro tempo. Melhor, em outra GRANDE jogada sua, tabela com Gabigol, que consegue fazer a bola passar da linha debaixo das traves. Viramos a partida!

Com aquela mesma ingenuidade citada acima, o torcedor apaixonado imagina:
- Agora, eles vão sair pra jogar e vamos passar com o carro por cima desses caras!
POBRE TORCEDOR !!!
O que se viu, depois da virada, foi nosso treinador começar a fazer mudanças que garantissem o resultado, trazendo-os para cima de nós e mudando radicalmente o desenho da partida.

Aquele mesmo senhor, que demonstrava ter TÃO pouca capacidade de montar esquemas que furassem uma defesa bem postada, por mais limitados tecnicamente que fossem os adversários, demonstrou ser mais incapaz ainda de montar um sistema defensivo seguro.

O resultado disso? Fomos IMPRENSADOS por um adversário infinitamente menos qualificado, que chegava na cara do nosso gol a todo momento e passamos a depender das mágicas de um goleiro que nem deveria ter sido escalado. Pois, por ironia do destino, é exatamente a ELE que devemos esses 3 pontos.  

Uma meia hora final de puro sofrimento. Mesmo com uma linha de 5 atrás e mais 4 a frente desses, continuamos incapazes de deter os avanços do adversário e sair jogando. Passamos a dar Bicos para a frente, mesmo sem ter ninguém para receber a bola por lá. O único objetivo era tentar afastar a bola de perto da nossa área.
Nem em partidas onde estivemos com jogadores a menos que o adversário me lembro de uma atuação TÃO lamentável, TÃO COVARDE.
Uma Covardia absolutamente incompatível com a história do Flamengo, que este senhor claramente  desconhece.  

A gota d’água para acabar com qualquer dose de paciência que me sobrava. Sempre fui contra trocas de treinadores, enquanto eles mantém um bom ambiente no vestiário. Mas, com o material humano que esse senhor tem nas mãos, tinha OBRIGAÇÃO de já estar mostrando alguma coisa que fosse, e não estou vendo.

Aquela equipe que me encantava e me fazia desejar que as partidas continuassem, mesmo depois de decorridos os 90 minutos, pelo prazer que tinha em assisti-la, tem me feito torcer para que o jogo acabe o mais rápido possível. E a deste último Domingo, pela atuação da última meia hora, me deixou foi envergonhado.
Por isso, plagiando uma frase daquele famoso filme Nacional, me permito pedir:
- Sr. Paulo Sousa, PEÇA PRA SAIR.

PRA CIMA DELES, MENGÃO !!!

Escrito por Ricardo Perez

Comentários